Casos de consultório: como vencer os maiores medos e ter coragem para mudar de vida?

Casos de consultório: como vencer os maiores medos e ter coragem para mudar de vida?

Esse consultante chegou me dizendo que o seu maior desafio no momento era lidar com a mãe que estava com câncer, se firmar na parte profissional e se aproximar mais do pai.

Os pais nunca foram casados. A mãe engravidou e não casou, nem mantiveram o relacionamento. Além disso era filho único por parte da mãe, o que o fazia ter dificuldade em se aventurar e seguir a vida sozinho.

Seu maior sonho era poder viajar, ficar fora um tempo e se sentir realizado com a profissão.

Como funciona a primeira consulta (dentro do consultório)?

No vídeo abaixo você vai ver como funciona uma consulta de Terapia Holística. E para quem é terapeuta, terá dicas de como realizar o seu primeiro atendimento.

Lembrando sempre que cada caso é um caso. Por isso sempre indico aos profissionais que tenham pré programado um roteiro de perguntas e que organize os seus atendimentos com dinâmicas, exercícios e práticas que agreguem e atendam as necessidades do cliente.

Geralmente eu costumo iniciar perguntando sobre as principais dificuldades, o que mais incomoda no momento, suas maiores dores e o que o incentivou a buscar pela terapia.

Depois pergunto sobre sua história de vida: relacionamento com os pais, como foi a infância, a adolescência, relacionamento amoroso e fatos marcantes da sua vida.

E aí conforme a conversa vai fluindo, vou perguntando mais detalhes do que julgo ser importante saber. Pois é assim que consigo entender a melhor forma de ajudar essa pessoa que está ali na minha frente.

Sobre a história do caso de hoje

Bem, falando mais sobre essa história, ele me relatou que a mãe engravidou de um relacionamento que não era sério. E que ela se dedicou muito ao filho, sendo “pai e mãe” ao mesmo tempo. Comentou também que ela faz tudo para todo mundo, mas não cuida muito de si.

Trabalha demais, se envolve em muitas coisas, mas nunca tem tempo para fazer coisas para si mesma. Além disso, ela se preocupa muito com a parte financeira. Ganha bem, mas reclama que nunca tem dinheiro.

Com relação ao pai, não tem muito contato e não convive. Não tem vínculo com ele e nem com os irmãos. Hoje o pai é casado e tem outra família. Nota que o pouco que vê o pai, ele não fala muito e é mais reservado. Percebe também que ele não expressa sentimentos.

Sobre os relacionamentos amorosos, já notou que todos acabam ficando da mesma forma como estava o atual: brigas, ciúmes, relação de posse da namorada. Ou seja, a relação sempre fica tumultuada.

Análise do caso

Em primeiro lugar o que precisamos olhar e analisar neste caso, é essa falta de vínculo com o pai. Pois a força do pai é a que nos “leva para o mundo”. É através do amor do pai que temos confiança para seguir os nossos propósitos, olhar para o futuro e “mostrar quem somos para o mundo”.

E mesmo a mãe querendo ocupar o papel de “pai e mãe” ao mesmo tempo, fica uma lacuna. E o pior disto é que ao tentar ocupar os dois lugares, existe uma exclusão inconsciente do pai na vida do filho. Ou seja, ela precisava aprender a ocupar o seu lugar de mãe e deixar o pai ser pai. Talvez até incentivando ou apoiando o filho a ficar mais próximo da figura paterna.

Muitas vezes a dor (que sentimos de forma inconsciente) de se manter distante do pai, ou a dor (que também sentimos de forma inconsciente) de vê-lo sendo alguém que tem comportamentos que julgamos ser errados, faz com que fiquemos enfraquecidos diante da vida.

Já vi vários casos, por exemplo, em que a pessoa só conseguiu se realizar no trabalho e se abriu para novas oportunidades, quando “tomou o pai”. No sentido de concordar com o seu destino e com o destino do pai. E então receber todo o seu amor e a sua bênção sem julgamentos ou reivindicações.

Durante a nossa conversa, percebi uma voz insegura e ao mesmo tempo um excesso de responsabilidades que ele tinha e que o sobrecarregavam muito. Acredito que isso estava vinculado ao fato de ser filho único por parte de mãe.

Nestes casos, é comum existir muita expectativa dos pais sobre quem é filho único. Pois geralmente são filhos muito desejados ou esperados.

Outra coisa que me chamou a atenção era a profissão que ele escolheu: algo que a mãe queria muito ser e insistia para ele seguir.

Embora eu questionasse e ele dissesse que não, senti que ele fazia tudo para agradar a mãe. Afinal, tinha um vínculo muito forte com ela. Por conta disto, duvidava do seu potencial e sempre ficava se perguntando se estava na profissão certa para ele.

Percebi também que precisava resgatar a autoconfiança e se abrir para novas possibilidades, pois tinha dificuldade em encerrar ciclos e viver algo novo.

Por isso ficava repetindo padrões, como os relacionamentos amorosos que eram apenas um dos exemplos que ele deu sobre situações que se repetiam.

Dicas de consultório

Algumas dicas sobre autoconfiança

Uma das primeiras coisas a serem trabalhadas neste caso é resgatar a autoconfiança.

Para ajudá-lo nisso, eu começaria fazendo um resgate do amor e da força dos pais, especialmente do pai. Pois quando a mãe “se tornar pai e mãe” do filho, é comum este filho se sentir muito inseguro e sem confiança com relação ao futuro.

Acredito que esse resgate é super importante para iniciar o processo dentro do consultório. Já que suas queixas estavam relacionadas ao fato de sentir dúvidas sobre a sua profissão e também não se sentir realizado com o que estava fazendo.

Além disso, fazer um trabalho de concordar com o seu destino. Pois pode ser que de forma inconsciente, exista uma revolta por parte dele, em ter ficado distante do pai. Por mais que ele diga que não, muitos dos desequilíbrios que ele sentia na vida, estavam relacionados a isso.

Também seria interessante ensinar algumas práticas para se fortalecer no dia a dia. E assim começar a ter uma postura mais confiante diante do que acontece.

Uma das práticas que amo e indico muito é o Ho’Oponopono. Dizer todos os dias as frases SINTO MUITO, ME PERDOE, TE AMO, SOU GRATO, ajudaria a liberar memórias inconscientes que o aprisionam e o deixam indeciso sobre o seu caminho, seu propósito de vida.

Além de tudo isso, hoje eu sei e aprendi que o que mais me dá autoconfiança na vida é me sentir abençoada e ter momentos de merecimento. Perceber que a todo momento estou recebendo bênçãos e mais bênçãos e acreditar que o melhor sempre está por vir, ajudaria muito neste resgate também.

Mentalização para se conectar com o pai

Feche os olhos, respire profundamente e receba esse momento! Sinta o seu corpo e entre em conexão consigo mesmo.

E neste momento de conexão consigo mesmo, receba o momento da sua concepção, do amor dos seus pais e do seu nascimento.

E ao receber todo o amor dos seus pais, sinta a energia da mãe. Receba o carinho e o amor da mãe, como se estivesse no seu colo!

E então visualize ela, como se estivessem frente a frente. Olhe nos seus olhos e diga mentalmente: “mãe eu amo muito você! E por amor, eu quis ser forte, eu quis resolver as suas dores e me senti responsável pela sua felicidade. Só que isso tem me custado muito caro. Eu não tenho me encontrado na minha profissão e nem tenho me sentido realizado pelo que faço. Por isso, mãe, eu entrego a você as suas dores e os seus sonhos. Pois eu quero viver os meus sonhos! E pode ter certeza de que quando o sucesso e quando a realização vier, eu dedicarei a você. Pois sei o quanto você se sacrificou por mim! E agora, eu peço a você que me deixe ir de encontro ao meu pai. Entenda mãe, que eu quero receber todo o amor do meu pai, quero me sentir conectado a ele; tanto quanto me sinto conectado a você. Por isso eu deixo os assuntos de vocês para vocês resolverem. E me entrego cada vez mais ao amor que recebi e recebo todos os dias!”

Como é estar neste lugar? Sinta e receba esses movimentos que vão acontecendo!

Agora, mentalize o seu pai. Olhe nos seus olhos e diga mentalmente: “pai, eu amo você e sinto muito por ser tão distante. Eu sei que a vida nos manteve assim até agora. E como tudo tem um propósito, eu apenas me entrego a este momento e concordo com o nosso destino. E eu aceito a vida como ela foi. Hoje recebo tudo que está disponível para mim.
Hoje eu tenho total consciência de que você fez o máximo que pôde para estar perto de mim. Mas eu insisti em me manter longe de você. Por amor a você e a mamãe eu quis aliviar as suas dores e quis ser maior. Por conta disso, achei que podia carregar uma carga que não é minha. Eu julguei e eu culpei você. Só que agora eu quero liberar toda essa dor do meu coração e eu quero me entregar o a você, ao seu amor e a sua bênção!”

Como é estar neste lugar? Sinta e receba esses movimentos que vão acontecendo! Permita que a partir de hoje tudo fique mais leve. Entregue-se cada vez mais ao fluxo da vida e receba todos os presentes que ela lhe dá a todo momento!

Deixe essas palavras entrarem no seu coração e quando se sentir pronto, venha voltando e abrindo os olhos.

​Dicas para terapeutas

Após finalizar a meditação ou a prática que você achar mais conveniente aplicar no momento, o ideal é que você recomende que o consultante volte.

Assim você pode acompanhar mais de perto os movimentos que serão feitos, as transformações e poderá continuar ajudando-o com relação as suas metas para o futuro, e a entender melhor sobre o que realmente ele ama ser e fazer (neste caso em especial).

Vou deixar mais um vídeo aqui com mais algumas dicas que irão complementar tudo que falei no post de hoje. Espero que goste e que aproveite!